Relatos-2016-6

“Ouvi certa vez uma história de uma mulher que ligou preocupada para a Igreja para avisar que a cantora que estava no púlpito no dia de culto estava com uma calça “justa demais” para a ocasião, e que, segundo a denúncia, permitia que se visse “coisas demais”. Fico me perguntando qual é a intenção de alguém que se dirige à igreja para louvar a Deus e aponta esse tipo de questão (por que essa mulher estava, por Deus, olhando para a roupa de outra mulher em um momento de entrega e adoração?), chegando ao extremo de reportar o que viu aos administradores da Igreja. Não me admiraria saber que provavelmente a cantora foi chamada e reprimida por seu “erro”, mas… não deveríamos estar na Igreja com o coração limpo de ameaças externas, e não é ela justamente o lugar onde devemos acolher pessoas ao invés de julgar se suas roupas são largas ou justas? Mas parece que na prática, como sempre, isso não acontece.”

Anúncios