Relato poético

Re-Dom-Do Som

Outrora Lá Fora
Gritou Aurora
Redooooooomaaaaaaa!

Na Mente DesCrente, Discente
Diz, contradiz
DisplicenteMente

Outrora em-borã
Aurora sofreu
Marcas amargas
Na pele, na mente, no Eu

Outrora na lente,
Aurora de luz permanente
Ficou tão latente
A dor,  eternamente

Lá fora, em hora
Aurora chorou
E agora?

Abriu-se o Verbo
JanEla-Verdade
Quebrando o som do silêncio
Invade a cidade

Quem é a Verdade?
Quem tem a palavra?
Quem é a eternidade?

Quem tem a ação?
O verbo & vida?
Eva? Adão?

Quem tem o sim e o não?
Cadê o som do coração?
Cade o som? cadê o tom da Verdade?
Cadê a Sinceridade?

Outrora, Aurora pediu:
A hora é Agora!
Não perca mais tempo
Seja Luz, Seja Som
Veja, Seja simples-Mente
Sinta & escute Redoma-DaMente

horas mudas, minutos, segundos sons,
Mudou-se, ouviu-se
Uma palavra :”Cuide-se como se você fosse de ouro, ponha-se você mesmo de vez em quando numa redoma e poupe-se.”


Lis Regine Amaral é Graphic Web Designer, Professora de Artes Visuais e ABUense desde 2006.

Anúncios